A prostituição do personal trainer

Por Yuri Motoyama

De uns 10 anos para cá, um novo ramo vem se desenvolvendo na educação física. O atendimento personalizado ou personal trainer vem se tornando uma atividade muito popular em academias e hoje em dia não apenas restrita a pessoas com alto poder aquisitivo.

Como professor, vejo vantagens no serviço do personal trainer quando nos deparamos com alunos que precisam de uma motivação adicional, precisam de um professor 100% ao seu lado e um acompanhamento extremamente individualizado.

Porém vejo várias falhas nesse tipo de atendimento por falta de preparo e muitas vezes ética. Muitos personais acabam se tornando mais um parceiro de conversa durante o treino do que um professor particular. Também já vi professores treinando junto com seus alunos dizendo que “é para motivar” (assim ganhando o tempo para fazer seu treininho).

Se você está escolhendo um personal ou trabalha com personal trainer e quer melhorar seu serviço clique aqui e ouça esse podcast!

Uma coisa que eu vejo e que me incomoda muito é quando começa a corrida pelo “menor preço”. Já ouvi pelos corredores de academias alunos perguntando para professores quanto era a hora aula e os professores respondendo “quando o professor fulano te cobrou? Eu cubro o preço dele…”

Quero deixar bem claro para o personal trainer “de programa” que isso apenas cria um vício no qual os alunos sempre pechincharão por um preço menor, desqualificando o profissional. Geralmente os alunos que procuram por um personal trainer querem um trabalho de excelência, porém, quando contratam o mais barato o máximo que conseguem é um parceiro chato de treino (e caro!).

Atenção! Alunos que procuram pelo personal trainer mais barato estão colocando suas saúdes nas mãos de um zé mané qualquer!

 Se um profissional não souber o seu valor no mercado e precisar saber o valor do professor parceiro para poder cobrar mais barato, pode procurar outro que esse aí está completamente perdido na vida.

O que esperar de um bom personal?

  • ÉTICA!
  • Preocupação nas formas de avaliação do aluno.
  • Atenção total ao aluno durante o treino.
  • Não vender o que não vai conseguir cumprir.
  • Ler e estudar pelo menos todos os dias!
  • Saber quanto vale seu trabalho.

Para existir o respeito a profissão, precisa antes existir uma coisa chamada união.

  • Yuri Motoyama

    ok

  • Gustavo

    Ola Yuri… Não conheço o teu trabalho e confesso que este foi o primeiro material seu que li. Concordo que isso ocorre e bastante, mas acredito que você poderia colocar de outra forma. Trabalho como personal a 15 anos e todas as vezes que vi esse tipo de “prostituição” acontecer não durou nem até a “primeira gozada”, normalmente o professor que cobra esse preço camarada não tem nada além de conversa para oferecer, é o professor sem ética e sem conteúdo… isso é FATO!!! Acredito que acrescentar isso ao teu texto seria válido…!!! Ou seja, o professor que cobra alto, NORMALMENTE tem valor agregado ao serviço. Abraços!!!

    • Yuri Motoyama

      Olá Gustavo! Agradecido pelo comentário!
      Acredito que esse ponto que comentou foi exatamente onde gostaria de chegar com meu texto. Acho que não fui tão claro. Concordo 100% com você a não ser no ponto onde o professor “prostituto” não dura muito. Aqui onde trabalho tem professores assim que estão a décadas trabalhando dessa forma e com muitos clientes. Isso me chateia muito. Abraço!

  • André Challas

    Olá, acredito que os Profissionais de Educação Física deveria ter uma tabela de preços do tipo que os Médicos, Dentistas e outros profissionais tem.
    Assim, ou paga aquele valor de tabela ou fica sem o serviço, e se um profissional estiver burlando, ou seja, cobrando menos que o valor de tabela, poderia ser denunciado.
    Mas o CREF está muito ocupado cobrando nossa anuidade néh.
    Excelente post, parabéns.

    • Yuri Motoyama

      Uma tabela com uma faixa de preço também seria uma boa. Só que ainda iríamos depender de profissionais conscientes…Abraço amigo!!

  • ffabiquest

    Que comparação patética! Existe prostitutas (os) de luxo, que ganham fortunas!