Esse tema é só para os que têm estômago forte: DINHEIRO!

Por Yuri Motoyama

Na minha cabeça existem 2 temas que pertencem a área da saúde que são evitados da mesma forma que um vampiro evita a cruz. Esses temas são: morte e dinheiro! Hoje eu quero falar um pouco sobre dinheiro e dessa vez quero falar diretamente com você meu amigo profissional de Educação Física.

Antes de qualquer coisa, eu não sou nenhum empresário, milionário ou consultor financeiro. Muito pelo contrário, eu sou como você uma pessoa buscando uma qualidade de vida melhor, que encontrou um divertido hobby com a internet e que procura entender como a distribuição de “bens” é feita em uma sociedade capitalista (Ah eu acredito sim que o Brasil é movido por um sistema capitalista). De todas as profissões da área da saúde a Educação Física é a única que necessita 100% da disposição física (para dar aulas práticas em academia por exemplo) e de um patrão. Você não pode dar aulas no meio da rua para os seus vizinhos, então você tem que estar dentro de uma escola ou de uma academia. Ok? Agora vou listar uma série de preocupações que você educador físico tem que ter em mente para poder ter saúde (mental e física) e qualidade de vida daqui 10 ou 20 anos.

Saberia me dizer onde você vai querer estar daqui 10 ou 20 anos? Quanto você vai ganhar? Em que posição você vai estar na sua profissão?

Uma vez eu fiz uma brincadeira dessas com os professores de uma equipe que coordenava. Eram excelentes professores, super inteligentes, porém pouquíssimos conseguiram responder essa pergunta. Tem duas respostas que você pode dar a essa pergunta que são preocupantes: 1) Não sei e 2) Fazendo a mesma coisa que faço hoje.

Se você não sabe onde vai querer estar daqui 10 anos, tudo bem, mas e daqui 5 anos? Daqui 1 ano? Não sabe ainda? Então comece a se preocupar com uma coisa chamada futuro! Porquê nessa realidade alternativa chamada “futuro”, você vai precisar comer, você vai querer ter uma família, você vai querer ter seu cantinho, você vai querer ter um carro para sair com sua família e amigos, você vai querer ter tempo para as coisas que te fazem feliz, seus hobbies… e isso meu camarada você só vai conseguir tendo uma coisa chamada DINHEIRO!

Se você estiver fazendo a mesma coisa que você faz nessa ficção chamada futuro, você vai estar cansado e correndo o risco até de estar depressivo. Você acha que seu corpo rende quanto tempo dando aulas de spinning?! Isso acontece porquê o ser humano precisa de coisas novas! E se você chegar (ou conseguir) aos 30 anos dando a mesma aula, eu tenho certeza que não vai ser como hoje, não vai ser com a mesma gana e disposição.

Sabe quem vai te dar um conforto para você continuar dando as mesmas aulas que gosta? Sabe quem vai te permitir trabalhar em um um ritmo menor? Quem sabe dar aulas somente para as turmas que você curte? Ou até fazer isso por hobby?

Uma coisa chamada DINHEIRO!

Agora todo mundo torce o nariz e pensa: – Ai quanta ganância, credo, dinheiro…

Éééééé… exatamente assim que o capitalismo funciona. Os ricos (classe empreendedora) gostam e entendem o dinheiro e nós (classe trabalhadora) achamos o dinheiro um pecado, um peso, uma ganância!

Conhece algum professor de step aposentado? Conhece algum professor de musculação que chegou em você para conversar sobre sua aposentadoria? Eu não conheço. Quantos educadores físicos financeiramente estáveis você conhece? Cadê esse pessoal?

Sabe o que acontece? Eles mudam de profissão! Se mudam por que não conseguiram uma “estabilidade” financeira na profissão suficiente para sobreviver e são obrigados a mudar. Da minha turma da faculdade, acredito que somente 10% ainda estão trabalhando na área após 12 anos de formação. Me parte o coração ver excelentes professores sentados atrás de recepções, vendendo planos de saúde, fazendo instalação de TV a cabo, correndo atrás de uma vaga pública administrativa…

Sabe de quem é essa culpa!?

Da educação!

(xiiii lá vem aquela conversinha de político de novo)

No seu ensino fundamental você aprendeu alguma coisa sobre dinheiro? Aposto que somente que ele é sujo e você precisa lavar as mãos depois que mexer nele. No ensino médio você aprendeu algum conceito básico sobre finanças ou contabilidade? Na sua graduação você aprendeu alguma coisa sobre gerenciamento de recursos ou gerenciamento de tempo?

Não, não e NÃO!

Se você costuma usar a palavra “não dá porque não tenho tempo” sugiro que clique aqui e ouça esse podcast sobre gerenciamento de tempo.

Sabe por que? Voltando lá no começo do texto. Porque estamos em um sistema capitalista e para a máquina rodar tem que ter mais funcionários e menos patrões. Se todos pudessem aprender como empreender sua própria vida e seus negócios desde a infância 90% da riqueza do país não estaria nas mãos de 8%. Nós não aprendemos nem o básico que é guardar dinheiro, imagina então investir dinheiro para poder gerar renda (ativos).

Como eu disse no começo, sou um profissional educador físico assim como você. Estudei em escola estadual e com muita ajuda consegui terminar o mestrado. Hoje descobri 2 coisas, que gosto de estudar e que o estudo por si só não me gera renda se eu for financeiramente burro (ou se tiver medo do dinheiro). Hoje acredito que todo mundo tem a possibilidade de fazer o que gosta, trabalhar, curtir sua família, seus amigos e seu lazer. Para isso temos que investir na única ferramenta que pode mudar essa situação: seu cérebro.

Estude, leia coisas diferentes da sua área, leia sobre gerenciamento de tempo, leia sobre o mercado financeiro, as vezes bata o olho naquela parte chata do jornal chamada “caderno de economia”, crie o hábito de guardar um dinheiro e converse com pessoas que entendem disso. Como um grande mestre que eu tenho me disse uma vez:

“Quem trabalha não tem tempo de ganhar dinheiro!”

Desculpe pelo texto grande, não gosto de fazer postagens assim, mas esse é um tema que exigiu isso.

Se gostou, deixe seu comentário sobre o que você pensa. Se achou papo de velho, imprima esse texto e daqui 20 anos leia-o novamente. Se ficou mega curioso compre o livro que vou deixar na referência e amplie seus horizontes mentais (rs).

Referência

KIYOSAKI, Robert T.; LECHTER, Sharon L. Pai rico, Pai pobre. Elsevier Brasil, 2000.

  • Yuri Motoyama

    ok

  • Almeris

    Ola Yuri, seu texto é muito engraçado pela ingenuidade ” comercial” ou “financeira”. E acho que vc foi muito feliz no desenho do perfil do prof de educacao fisica e ate dos personal trainers. Ē muito curioso, pra nao falar outra coisa- como os profissionais nao tem a menor noção do quanto poderiam ganhar em troca do enorme beneficio que entregam para seus clientes/alunos. Lamentavelmente isso é um atraso.

    • Yuri Motoyama

      Olá professor! Como disse no texto e confesso novamente, sou completamente analfabeto com relação a educação financeira. Sei que pensar que existe uma pretensão dos governos em nos manter financeiramente analfabetos pode parecer uma teoria conspiratória. Mas que somos completamente leigos ou ingênuos nesse assunto por conta de um processo educacional falho é fato. Também acho que tanto os profissionais quanto os consumidores desse serviço prestado a saúde ainda não tem noção do valor desse serviço. Do mesmo jeito que muitos professores brigam para ter o menor preço (e conseguir ganhar mais alunos) muitos alunos cortam as despesas de academia e personal em primeira instância caso o orçamento aperte. Acredito que deveria fazer parte da formação profissional o fato de “aprender a lidar com dinheiro”. Determinar corretamente o valor de sua hora/aula, saber colocar o preço no seu serviço, etc…

      Abraço e agradecido pelo comentário!