Arquivo da categoria: Matérias

Sufixos e prefixos utilizados na fisiologia

Já parou para pensar nos nomes de reações, substâncias, elementos e termos utilizados na fisiologia? Muitas vezes o entendimento de alguns sufixos ou prefixos pode nos ajudar a compreender melhor a fisiologia de forma geral.

Vai aí a lista de uns que separei parar vocês! Se lembrarem de algum podem colocar aqui nos comentários do post.

Quando começa com: Significado Exemplos
a não, sem átomo, agranulócito
ab afastado, longe abdução, abduz
acetábulo pequena taça fossa acetabular
acro- topo, extremidade, pico acrômio, acromegalia
ad- para, perto adsorção, adrenal
adeno- glândula adenohipófise, linfadenopatia
aero- ar, oxigênio aeróbio, anaeróbio, aerofagia
af- para aferente
ag- junto aglutinação
albi- branco linha alba, albino
algi- dor analgésico, mialgia
alo- outro, diferente alelo, alografia
anfi- ambos, ou anfifílico, anfíartrose
an- sem anaeróbio, anêmico
ana- (1) para cima, construção anabólico anafilaxia
ana- (2) a parte anáfase, anatomia
ana- (3) atrás anastomose
andro- homem andrógeno
angi- vasos angiograma, angioplastia
ante- antes, na frente antebraço
antero- atrás anterior, anterógrado
anti- contra antidiurético, anticorpo, antagonista
apo- de, fora, longe, acima apócrino, aponeurose
ast-, astro- estrela astrócito
atero- gordura ateroma, aterosclerose
átrio- entrada átrioventricular
auri- orelha aurícula, binaural
auto- próprio autólise, autoimune
axi- eixo, linha reta axial, axonema, axonio
baro- pressão baroceptor, hiperbárico
bene- bom benigno, benefício
bi- dois bipedal, bíceps, bífida
bio- vida, vivo biologia, biópsia, microbiólogo
blasto- precursor, broto, produtor fibroblasto, osteoblasto, blastomêro
braqui- braço braquial, antebraço, braquio
bradi- lento bradicardia, bradipnéia
burso- bolsa bursa, bursite
calc- cálcio, pedra calcâneo, hipocalcificação
calo- espesso calo, caloso
calori- calor caloria, calorimetria
capni- fumaça, dióxido de carbono hipocapnia
carcino- câncer carcinogênese, carcinoma
cardi- coração cardíaco, cardiologista, pericárdio
carpo- punho metacarpo
cata- abaixo, quebra catabolismo
celi- barriga, abdômen celíaco
céfalo- cabeça cefálico, encefalite
cervi- pescoço, parte estreita cérvix, cervical
condro- (1) grãos mitocôndria
condro- (2) cartilagem condromalácia
cromo- cor dicromático, cromatina, citocromo
crono- tempo cronotrópico, crônico
circ- aproximadamente, em torno de circadiano
cis- corte incisão
clast- quebra, destruição osteoclasto
co- junto coenzima, contransporte
contra- oposto contralateral
corni- chifre coniculado, corno
cort- casca, pele cortex, cortical
crani- capacete crânio
crito- separar hematócrito
cisto- bexiga cistite, colecistectomia
cito- célula citologia, monócito
de- abaixo defecar, deglutição, desidratação
dendro- árvore, ramo dendrito
dia- (1) através, separado diafragma, diálise
dia- (2) diário circadiano
dis- a parte dissecar, dissociar
des-  oposição, ausência desinfetar, desabilitar
diure- passar por, urinar diurético, diurese
dorsi- atrás dorsal, dorso
du- conduzir duto, adução, abdução
dis- mal, anormal, doloroso Dispneia, distrofia
e- fora ejacular, eversão

 

 

 

Quando termina com: Significado Exemplos
-ato, eto ou ito sais, sal sulfato, cloreto, malato, lactato
-al pertencente ao parietal, faringeal, temporal
-ario pertencente a embrionário, coronário
-ase enzima polimerase, kinase, amilase
-culo pequeno pedículo
-culo pequeno tubérculo, corpúsculo
-ina da natureza, feito de cafeína, cocaína, creatina
-ite inflamação bronquite, hepatite
-io corpos simples sódio, potássio, selênio

Qual será o futuro da saúde no Brasil?

Por Gilmar Esteves

Basta olharmos ao nosso redor para observarmos que estamos cada vez mais preguiçosos, principalmente com o avanço da idade. Considere toda esta evolução tecnológica que nos priva de nos movimentarmos e adicione isso a farta oferta de alimentos industrializados, os “fast food” que são ricos em calorias (e com muita gordura trans). O resultado disso pode estar colaborando cada vez mais com a redução da nossa saúde física. E para piorar, estamos cada vez mais sedentários.

Recentemente li uma matéria no jornal Folha de S.Paulo, no caderno de ciências, onde constava uma pesquisa feita pelo Ministério do Esporte, tendo como foco principal a pratica de atividade física e saúde. A pesquisa foi realizada em 2013 e contou com a participação de 8.902 pessoas, de todos os Estados do Brasil, mostrando que 32% dos brasileiros se exercitam regularmente e que 46% são sedentários. Índice que supera países como EUA, Rússia, China e Índia, mas pelo menos não perdemos da Argentina onde 68% são sedentários.

(Ganhar da Argentina é sempre bom! rs)

Outro dado interessante é de que a maioria das pessoas que abandonaram um programa de exercícios físicos ou a pratica de atividades físicas, alegaram como principal motivo a falta de tempo, compromissos com a família e o trabalho, respectivamente. O que não da para acreditar é dizer que é por falta de tempo, isso é uma grande desculpa para a grande maioria. Talvez para poucos isso possa ser realidade, mas não ter alguns minutos do seu dia, como 30 minutos, para fazer um exercício físico já é demais.

Se quiser ouvir um podcast sobre como é o serviço prestado a saúde em outros países, clique aqui!

Será que as pessoas pensam que para se ter resultados benéficos a saúde é necessário ficar horas dentro de uma academia?

Infelizmente ainda vejo alguns casos assim em academias. Uma das recomendações da Organização Mundial de Saúde é de 30 minutos de atividade física moderada 5 vezes por semana para se ter benefícios a saúde, e existem outras agências e uma série de pesquisas científicas que indicam uma melhora na saúde até com menos tempo de pratica. Se você conseguir alternar a intensidade e volume dos exercícios, como por exemplo 10 minutos de atividade vigorosa, você consegue obter grandes benefícios para o corpo com menos tempo que a recomendação tradiconal.

A pesquisa aponta ainda que quanto maior o nível de escolaridade maior é a pratica de exercícios físicos. Este seria mais um motivo para melhorarmos a educação de nosso País, que na realidade, além de não ir muito bem, parece que esta piorando.

Será difícil prever o que pode acontecer daqui em diante. A medicina evolui a cada dia para tratar nossos doentes, não que isso seja ruim, mas o que fazer para evoluirmos na questão de como reduzir o risco de ficarmos doentes?

Com o sedentarismo aumentando, só vejo mais pessoas não saudáveis. E esta meu amigo, é uma triste realidade…

Clique aqui e ouça um programa com dicas para treinar o corpo sem colocar em risco sua saúde!
Para ler a matéria do Jornal na integra, clique aqui.


Magreza = beleza? Onde nossos padrões estéticos irão chegar?!

Por Yuri Motoyama

Me desculpem os profissionais que cuidam dos distúrbios de imagem e das pessoas que promovem a magreza como um “novo” padrão de beleza mas vou fazer alguns comentários sobre uma foto que polemizou a internet a pouco tempo.

Um anúncio de uma empresa que trabalha com produtos luxuosos postou uma foto apresentando uma modelo exibindo um padrão de magreza absurdo.

magreza 1A foto causou muita polêmica na internet por promover um padrão de beleza já associado a um distúrbio de imagem chamado anorexia. Se observarmos a coxa da modelo tem praticamente a mesma circunferência dos seus joelhos.

A beleza nem sempre foi associada a magreza

Na história da beleza durante o desenvolvimento das civilizações podemos perceber que existiram varias formas de culto ao corpo. Muitos antropólogos dizem que a saúde e capacidade de gerar filhos estava associada ao acúmulo de gordura. Uma escultura de 28 mil anos chamada de Vênus de Willendorf apresenta padrões arredondados em uma imagem que era utilizada em rituais de fertilidade dos nossos antepassados.

Observando o desenvolvimento do culto ao corpo (e consequentemente os padrões de beleza femininos) passamos para os famosos corpos esculturais dos gregos. Na Grécia a Educação Física era um dos pilares na formação do homem junto com a literatura, música, filosofia e jogos públicos. Apesar de muitas imagens e esculturas mostrarem o corpo masculino, os padrões se assemelhavam para as mulheres. Um corpo forte e estaria associado a uma mente sadia para os homens e no caso das mulheres, a beleza era associada ao perigo. Depois passando para a idade média (idade das trevas) onde houve muita influência da religião, os padrões de beleza femininos ainda eram associados a corpos fortes (magros) porém não eram mais expostos. Todas as mulheres retratadas vestiam roupas, mantos ou tecidos grossos e pesados.

O último pulo é na renascença onde a humanidade começou a expor novamente os corpos femininos, porém com valorização das curvas e contornos arredondados no corpo. Se lembrarmos um pouco das figuras que estudamos durante as aulas de história vamos ver mulheres de quadris largos, rosto redondo. Algumas até estão segurando alimentos e isso tudo estaria relacionado a fartura e riqueza. Por muito tempo o acúmulo de gordura significava que você tinha acesso ilimitado a alimento, e isso era um luxo que só os que possuíam recursos poderiam ter.

Os padrões de beleza estão se tornando perigosos?

Essa é uma preocupação que eu sempre tive como professor. Principalmente com jovens e adolescentes que são muito influenciados pelos amigos e pela mídia. Hoje é o “bombadão” que é popular na escola e faz fama com todas as garotas e as meninas sofrem muito com o acúmulo de gordura. O que hoje em dia chamamos de bullying sempre ocorreu com as crianças que estavam acima do peso.

Há alguns anos atrás eu já olhava de forma estranha os padrões de magreza que as modelos divulgavam, nunca pensei que isso pudesse piorar tanto. Basta pegar fotos de modelos famosas em um intervalo de 5 anos para você ver a diferença. Estamos entrando em uma era onde os padrões de beleza promovidos pela mídia não tem nada a ver com saúde. Na verdade passam bem longe do que chamamos de saúde, pois para alcançá-los você precisa colocar seu corpo a exposição de vários riscos.

Existem muitos pontos relacionados a sua saúde que devem ser observados antes de começar qualquer proposta de mudanças no seu corpo. Clique aqui e ouça um podcast sobre isso!

Cansei de ver adolescentes que frequentavam a academia onde eu dava aula que da noite para o dia paravam de comer e começavam a querer treinar por horas. Geralmente coincidia com aquela idade onde as amigas começavam a paquerar e as que tinham um pouco mais de peso ficavam excluídas. Isso é um ponto super delicado que acaba sendo responsabilidade do profissional de educação física tentar ajudar essas adolescentes a não desenvolver um distúrbio de imagem.

Como nós, profissionais de educação física podemos contribuir nesse cenário?

Me lembro de um aluno que começou a perder peso e por conta própria decidiu parar de comer. Os sintomas dessas pessoas são bem evidentes, elas começam a ficar com um aspecto cansado, indispostas, perder muito peso em poucas semanas e adoecer com mais frequência. De forma indireta eu e uma professora que trabalhava comigo começamos a orientar ele sobre os riscos, e através de conversas informais e brincadeiras fizemos ele procurar ajuda profissional (nutricionista) e no final ele até mandava a foto do prato de comida vazio após as refeições. Depois de pouco tempo esse garoto conseguiu resolver seus problemas com sua imagem e começou a cuidar de maneira responsável do seu corpo e sua saúde.

Um ponto que quero destacar nessa postagem é que em muitos casos podemos ajudar pessoas que estão começando a desenvolver algum distúrbio de imagem. Muitas vezes o profissional de educação física é o único profissional da área da saúde na qual as pessoas tem contato diário e isso nos traz uma carga de responsabilidade enorme. Não seja omisso quando observar alguma característica estranha em seus alunos, converse com o aluno, se for o caso converse também com os pais e incentive a pessoa a buscar ajuda de profissionais como psicólogo, médico e nutricionista.

Blogueiros fitness: como erradicar essa doença

Por Yuri Motoyama

Provavelmente você já gastou alguns minutos da sua vida para ver um vídeo ou uma postagem de um blogueiro (a) famoso dando dicas de treino, alimentação, etc. Para nós que trabalhamos com saúde é um caminhão de besteira. Para pessoas que são leigas no assunto, essas “dicas” podem parecer boas e tentadoras. E isso tudo leva a uma doença muito perigosa, recente e ainda sem tratamento.

Em primeiro lugar quero deixar bem claro que o problema não é o fato deles serem blogueiros. Existem vários blogs que prestam um excelente serviço de promoção de informações relevantes para saúde. A própria revista científica Nature viu a importância de se divulgar a ciência de uma forma mais popular e criou um blog. O problema nessa história é que esses blogueiros treinaram, suplementaram e principalmente anabolizaram seus corpos para chamar sua atenção. Aí você está de bobeira na internet, passando tempo rolando sua timeline do facebook e  instagram (essa doença é transmitida principalmente através dessas duas redes sociais) e acaba sendo contaminado por um blogueiro fitness…

Blogueiro fitness, entendendo a doença

Essa doença se manifesta quando uma pessoa não tem acesso a informações sobre saúde. Na verdade, as pessoas contaminadas, desde sua educação básica foram doutrinadas a acreditar em tudo e nunca questionar nada. São influenciadas pela aparência.

Outro aspecto que facilita a contaminação é ter preguiça. As pessoas que esperam ter resultados monstruosos com pouco ou nenhum esforço são as que tem o maior perfil para serem contaminadas. A partir daí fica fácil a contaminação, basta uma rápida olhada em um corpo bonito em um vídeo ou uma chamada do tipo “queima de gordura por 365 dias” que a doença já está transmitida.

Sintomas da doença

Você percebe uma pessoa doente quando o Facebook dela já tem centenas de compartilhamentos de exercícios ridículos (isso na melhor das hipóteses). Quando o Instagram dela parece uma revisa de moda de academia com tantas modelos desfilando com suas roupas perfeitamente combinadas e abdomens de fora.

Em um estágio mais avançado da doença essa pessoa já começa a compartilhar com seus amigos as dicas de treino e alimentação. Ela já começa a escrever recadinho nos copos de suplementos para outras pessoas. Nesse estágio a pessoa já ignora a instrução de profissionais competentes para introduzir um exercício ou outro no seu treino. É aqui que começa a transmissão da doença. Nesse ponto, a pessoa já começa a se destacar na academia. Não pelos seus resultados e sim pelas roupas da moda e pelos exercícios que parecem que foram orientados para serem executados da maneira “perfeitamente” errada.

E aí chegamos no estágio mais avançado da doença. Nesse estágio a pessoa já monta seu próprio treino e alimentação com base nos blogueiros fitness. Ela já prescreve esses exercícios “perfeitamente errados” para outras pessoas (criando um subgrupo de seguidores). Ela já compartilha as baboseiras freneticamente e faz comentários do tipo “fantástico!”, “Isso mudou a minha vida!”…

Estágio terminal da doença

Nas fases terminais, a pessoa gastou anos de sua vida e conseguiu no mínimo uma dor nas costas (sendo otimista). Essas pessoas desistem e falam que academia não é pra elas. Um outro aspecto terminal dessa doença é quando a pessoa contaminada utiliza hormônios e alcança um corpo “perfeito”. Aí os blogueiros se tornam deuses e ela nunca vai saber que ela poderia ter tomado hormônio e feito faxina em casa que teria os mesmos resultados.

A doença dos blogueiros fitness tem cura?

Existe uma cura sim! O remédio para essa doença se chama ciência e divulgação. Sempre digo que a maior parte da culpa dessa doença ter se disseminado no Brasil é dos próprios profissionais de saúde. Hoje em dia temos profissionais mal qualificados sim, são pessoas que não entendem a importância da profissão e estão lá só para tirar um trocado. Falando especificamente da minha área, temos professores com uma década de carreira que nunca leram UM CAPÍTULO de um livro de fisiologia sequer. Temos professores que nunca fizeram cursos para se atualizar. Temos professores que nunca leram um artigo científico ou procuraram nas bases de dados a resposta para uma dúvida.

Além dos profissionais mal qualificados temos os profissionais omissos. Que vêem essas postagens e não fazem nada. Quantas postagens no facebook você denunciou? Quantos videos você não deixou de comentar com alguma critica sobre o que estava sendo falado? Quantas vezes você tentou compartilhar uma informação correta em cima de uma besteira publicada na internet? Quantas vezes você reservou alguns minutos para ajudar a divulgar informações corretas pelas redes sociais?

Se você está se perguntando “onde então eu posso pegar informações sobre saúde com segurança?”. Clique aqui e ouça esse podcast!

Os blogueiros fitness não tem o conhecimento, mas uma coisa é certa, eles sabem usar a internet para conseguir seguidores. E os profissionais que tem o conhecimento para compartilhar e mudar essa situação ficam escondidos atrás de suas mesas de trabalho. Desse jeito, quem você acha que vai ganhar essa disputa?

Critique, comente, compartilhe informações com embasamento cientifico e principalmente aprendam a usar o botão DENUNCIAR!

 Clique aqui e aprenda como denunciar um conteúdo no Facebook!

 


7 dicas para você, educador físico, ganhar dinheiro na internet!

Por Yuri Motoyama

Hoje não podemos discutir a importância do mundo virtual em nossas vidas. Seja para aproximar pessoas, para o entretenimento, para buscar informações e também para ganhar dinheiro na internet!

Atualmente eu acredito que todas os cursos de graduação deveriam dar uma atenção maior para o marketing para redes sociais e dicas simples para se conseguir trabalhar com a internet a seu favor. Nós, educadores físicos também podemos entrar nesse ramo e “vender” nosso trabalho na rede. Você não precisa ser dono da Submarino ou fazer artesanato para poder usar a internet para melhorar sua renda. Dê uma olhada nessas dicas e veja como isso pode estar muito mais ao seu alcance do que você pensa:

  1. Tenha certeza do que você quer vender! Muitos profissionais de educação física não tem certeza da área que querem trabalhar. É treinamento de alta performance? Educação infantil? Treinamento para populações especiais? Personal Trainer? São tantas áreas que é impossível listar todas e isso é um ponto positivo! Muitas pessoas atualmente estão a procura de profissionais especializados em alguma área e essas pessoas fazem isso pela internet (antigamente era a lista telefônica, rs). Se associe a algum portal de divulgação de trabalho (existem sites específicos para isso como o www.corponamedida.com.br). Mas tenha em mente qual é o seu objeto de trabalho para poder fazer seu nome crescer dentro dessa área.
  2. Sempre esteja de olho no mercado. A educação física sofre com algumas atividades da “moda”. Eu digo sofre, pois existe um grande alvoroço em torno de certas atividades e depois de um tempo elas simplesmente desaparecem. Esse sofrimento é causado principalmente pela estratégia de venda das empresas que fazem uma verdadeira lavagem cerebral no professor. Ele sai de um curso acreditando que aquilo é a cura para o mal da humanidade. Depois disso é fácil ele comprar as roupas da empresa, fazer tatuagem, pintar o cabelo, colar adesivo no carro, compartilhar informações no facebook e gastar metade do seu salário enriquecendo aquela empresa ou franquia. Só que depois de um ano aquilo sai da moda e ele perde a identidade profissional. Se for associar seu serviço a uma outra marca, tome muito cuidado! Isso pode ser uma modinha que está com os dias contados. (Clique aqui e veja um podcast sobre as tendências para o mercado fitnees de 2016!)
  3. Use o facebook a seu favor! Hoje em dia existem pessoas  que não sabem a diferença da internet e o facebook. Muitas pessoas nem sabem que existem sites, google e outras possibilidades além da famosa rede social. Hoje não tem como não utilizar a internet e ter sua vida exposta. Muitos professores acabam (mesmo sem saber) tendo suas redes sociais como um grande cartão de visitas. Inevitavelmente, muitos alunos ao escolher um professor acabam procurando acompanhar o profissional em suas redes sociais antes. Cuidado com as fotos que você compartilha, as campanhas que você segue ou simplesmente as piadinhas que você coloca na sua timeline. Uma simples piada com conteúdo mais machista já vai exterminar a possibilidade de futuras alunas do público feminino. Uma simples foto sua, torto de bêbado na balada segurando uma garrafa de cerveja com dois amigos desmaiados do seu lado já é o suficiente para aquela família que estava querendo treinar com você mudar de personal. Se você nunca parou para pensar que a partir do ponto que você se inscreveu em uma rede social sua vida é pública, tomara que não seja tarde demais…
  4. Não ignore o corretor ortográfico. A internet é um veículo de mídia visual e o texto ainda é o recurso mais utilizado. Todos podemos errar durante a digitação dos nossos textos, porém sempre revise os seus textos antes de publicá-los. Veja a concordância gramatical, utilize uma linguagem simples, porém correta! Não precisa fazer seu público procurar palavras no dicionário para mostrar que você é “letrado”, mas também cuidado com as gírias e expressões populares.
  5. Compartilhe seu trabalho! Esse é um ponto importante desse post. Vejo muitos professores dizendo: “eu não tenho nada para vender na internet”. Como não?! Antes de mais nada você é um promotor de saúde! Você vende saúde! Quem em sã consciência não gostaria de investir seu dinheiro em saúde? Costumo brincar com meus alunos dizendo que quando utilizam seu dinheiro para pagar uma academia, um personal, estão pagando pelo verdadeiro plano de saúde. É isso que vai render saúde para você e para sua família! Aquele plano que compramos na posta dos hospitais deveria se chamar plano de doença, pois só os utilizamos quando estamos doentes. Então, compartilhe fotos legais dos seus treinos. Utilize a rede para parabenizar seus clientes quando eles alcançarem seus resultados (claro com o consentimento dos mesmos). Compartilhe fotos dos seus empreendimentos, dos cursos que participa e das atividades voltadas para a sua área.
  6. Saiba como tornar seus compartilhamentos mais atrativos! Aqui entraríamos em uma parte muito mais técnica a respeito de marketing (por isso que falei sobre esse tema no começo da postagem). Existem formas de redigir um texto, de montar um título, de escolher uma boa imagem, de colocar cores corretas, etc. Há uma infinidade de manhas que você pode utilizar para seu post despertar a curiosidade de um possível cliente e receber um click. Por exemplo para postagem no facebook existem horários onde mais pessoas estão online, dessa forma sua publicação vai atingir um público maior. Algumas pesquisas apontam para 11h, 14h, 17h e 20h. Tente utilizar alguma estratégia de horário para publicação, experimente horários diferentes e veja qual horário tem um retorno maior. Outro exemplo pode ser a imagem desse post. Veja que utilizei bastante a cor vermelha, essa cor tem um contraste enorme quantidade de azul do facebook, isso chama mais a atenção dos leitores. Enfim, se procurar sobre isso pela internet, você vai encontrar bons materiais bem básicos para começar a estudar.
  7. Aprenda a trabalhar com as métricas. Seja você dono de um site, de uma fanpage no facebook ou até mesmo se utilizar seu perfil do twitter. Alguns serviços fornecem as métricas de acesso do seu conteúdo. Se são mais homens ou mulheres, a faixa etária, as postagens mais populares, etc. Estar de olho nesses números pode indicar como e porque as pessoas estão chegando até você.

Bom existem vários outros pontos a serem considerados caso você queria dar uma atenção maior para o marketing digital. Se você já tem um site mais movimentando pode receber por propaganda, parcerias, etc. Não pense que você está fora da jogada por que é educador físico. Olhe seu trabalho sob outros pontos de vista. Veja como ele é importante e sempre pense que outras pessoas podem estar procurando por alguém como você nesse exato momento!

O ponto principal de tudo é a qualidade das informações que você coloca e a seriedade com que leva a profissão. Esses são dois pontos que podem fazer você ganhar muito dinheiro ou ser mais um professor azul no meio da multidão azul do facebbok…

Tem alguma dica, lembrou de algum fato interessante, tem alguma história de um bom negócio que começou pela internet? Compartilhe conosco aqui embaixo na seção dos comentários!