Podcast #23 – Manual de Sobrevivência na Faculdade

Olá estudantes!

Hoje vamos deixar com vocês algumas dicas sobre como passar (sobreviver) a esse processo tão gratificante que é o período da graduação. Vamos contar um pouco das nossas experiências como alunos e como docentes universitários. Descubra o que significa ser o aluno chato da sala, quais as matérias que são mais importantes e se nossos professores são a fonte máxima da sabedoria.

Nesse episódio contamos com a presença da Senhora Reforço Positivo (veja nos extras seu poder mutante de impedir a gravação dos e-mails) e também do Mestre Gilmar Esteves!

Bom episódio para se ouvir no fretado e ir refletindo sobre sua postura em classe.

Abraços!


Links patrocinados

For Force Suplementos (para realizar uma compra com desconto utilize o código promocional 4×15)

Pós graduação UNIARARAS

  • fernando

    caraleo ficar 1:11:38 escutando é fod@… prefiro a aula de medidas e avaliações…

    • Yuri Motoyama

      kkkkkk a aula dura bem mais de 1:11 e aqui você ainda pode ouvir onde quiser!!!

  • Fabio Rocha de Lima

    Olá equipe 4×15!

    A Dilma falando sobre educação foi a melhor…. kkkkkkkk….

    Só vou fazer alguns comentários quanto a determinados pontos discutido por vocês, o de acreditar no professor ser detentor do conhecimento e leitura de artigos.

    Penso que se o aluno, independente da área, adota esse pensamento e tem clareza sobre a importância disso, ele irá longe. Porém, em muitas vezes gostamos de informações prontas, as famosas receitas de bolo, pois não queremos nos dar o luxo de ler sobre aquele determinado assunto e tentar compreender aquele tema e aplicá-lo em nossa carreira. Não concordo com o pensamento de “o professor tem que passar respostas para os alunos”. Acredito que isso tem pouco a agregar para o futuro do graduando. Também não concordo com o professor deixar o aluno perdido no caminho. Tem um meio termo entre esses dois extremos.

    Quanto a leitura de artigos, comecei criar esse hábito a partir do meu 2º ano de graduação, e não largo isso por nada, pois particularmente me identifiquei mais com os artigos científicos. Porém, pegando o pensamento acima descrito, o mesmo pode se aplicar na leitura de livros ou artigos. Se o leitor de livro ou artigo se interessar por determinado ponto daquele texto, ele pode ir atrás da linha de raciocínio daquele autor através das referências bibliográficas daquele estudo. Ele pode fazer isso até nos famosos “livros-texto”. Confesso que é muito trabalhoso você ficar nesse círculo sem fim, mas no final é muito gratificante o conteúdo a mais que você consegue fazendo isso.

    Para não escrever uma enciclopédia aqui, Feliz Aniversário 4×15! Continuem com esse trabalho fantástico de vocês.

    Abraços

    • Yuri Motoyama

      Perfeito meu amigo! Acho que um equilíbrio entre esses dois pontos que falou (professor pai X professor largado) é o segredo de uma educação de sucesso. Se você é interessado em artigos e literatura científica da forma como é hoje, ou teve bons professores na graduação ou é uma pessoa que tem o “espírito” para a ciência desenvolvido ao longo da sua vida.

      Valeu meu amigo obrigado por estar conosco nesse 1 ano!!!

  • Felipe

    Legal,muito bom mesmo.

  • Gabriel Pohlmann Roballo

    #EUSEIONDEPROCURAR HAHAHAHA É NOIX! ESCUTANDO VOCÊS E PEGANDO O FEEDBACK TENHO CERTEZA QUE ESTOU NO CAMINHO CERTO! Um dia quero ministrar palestras e largar vários artigos científicos com fundamento para a hipertrofia e saúde pq oque tem no pubmed a cada 1000 aproveita 10 para o pessoal da hipertrofia!

    • Yuri Motoyama

      Na verdade o lance é saber como ler e interpretar os dados de artigos. Já vi artigos com delineamentos duvidosos e dados que poderia ser interpretados de maneiras diferentes por outras abordagens estatísticas. Mesmo assim a ciência ainda é a base mais confiável para a prática. Abração chefe!